31 de março de 2015

Londres com um bebê de 4 meses - Uma visita ao Shard

Na minha segunda visita à Londres (dessa vez com meu bebê de 4 meses!), tiramos um dia para conhecer o Shard, o edifício mais alto da Europa. Na última vez que estivemos lá, em janeiro de 2012, perdemos a visita por causa de um mês, já que o edifício só foi inaugurado para visitação no mês seguinte.


                                 
A VISITA

Fomos num dia de semana (Janeiro/2015) e fiquei surpresa de ver que não havia filas, estava super vazio e entramos direto. Totalmente diferente de outras disputadíssimas atrações londrinas, como a Torre de Londres, a Abadia de Westminster e a "rival" London Eye. 

Entretanto, não achei a acessibilidade muito boa... Não sei porque não nos deixaram subir com o carrinho do nosso bebê (talvez para economizar espaço no elevador???). Ainda bem que o nosso filho não estava dormindo / com sono na hora da nossa visita (se estivesse eu ia ter virado uma fera!). 

Enfim... Logo no início da visita, os elevadores que levam até a plataforma de observação  impressionam pela rapidez! Como consegue serem tão rápidos?!? (de fazer a viagem até o 8° andar no meu prédio parecer uma eternidade).

São duas plataformas / andares abertos à visitação, ambos com visão em 360 graus.

O primeiro, no 69° andar, fechado, que conta com vários telescópios de touchscreen onde é possível ver as atrações de Londres (Big Ben, St Peter´s Cathedral, Tower Bridge, entre outros), além de ler informações sobre os locais. O turista pode ficar quanto tempo quiser, tirando fotos e apreciando a vista.

O segundo andar de observação, no 72° e último andar do prédio é todo aberto. Opinião pessoal: essa plataforma é só pra dizer mesmo que foi no último andar do prédio. A vista é exatamente a mesma e, por ser aberto, em dias de chuva e frio (super comuns em Londres), ficar muito tempo por lá pode ser desconfortável.

                                   


A entrada (comprada na hora) custou £29,95 por pessoa (crianças até 3 anos não pagam). Preço em janeiro/2015.

A VISTA











THE SHARD x LONDON EYE

Mas e agora, caro leitor, você deve estar se perguntando. Mas e aí? Estou indo para Londres, devo visitar o Shard ou a London Eye? Ou os dois?

Bom... Aí depende do gosto pessoal de cada um... Alguns "pontos fortes" de cada atração que podem facilitar a escolha:

The Shard

  • A vista é indiscutivelmente melhor. 360° de toda a cidade de Londres; 
  • É possível apreciar a vista o tempo que quiser, enquanto na London Eye são apenas 30 minutos; 
  • Não precisa ficar disputando espaço com os outros turistas para uma foto / ver a vista. Enquanto na London Eye o turista fica "confinado" na cápsula, disputando uma "vaguinha" na "janela" com dezenas de outras pessoas; 
  • Menos filas. 
London Eye
  • O principal não é a vista em si, mas a experiência de estar na roda gigante. É um passeio interessante; 
  • Dá pra ver todos os detalhes dos prédios no centrinho de Londres (Big Ben, Parlamento, Abadia de Westminster); 

Para ver dicas de outras atrações em Londres clique aqui.

Niterói - Parque da Cidade

Uma ótima opção de passeio para quem visita a cidade do Rio de Janeiro pela segunda vez (ou terceira, quarta...) é conhecer a cidade de Niterói. 

Separada da "cidade maravilhosa" por apenas 13km (através da Ponte Rio-Niterói) ou 15 minutos de barca, "Nikiti" - como é carinhosamente apelidada - oferece várias atrações bacanas e vistas maravilhosas da Baía de Guanabara e Pão de Açúcar.

Um dos principais passeios em Niterói é o "Parque da Cidade" que é conhecido por possuir, não apenas belíssimas vistas do Rio de Janeiro, mas também um dos melhores cafés da manhã do Grande Rio!


COMO CHEGAR

Não há transporte público para o Parque da Cidade. Para chegar lá, são basicamente três opções: 

1. De carro - De Copacabana até o Parque da Cidade, pela Ponte Rio - Niterói, são em torno de 40 minutos de carro. Na volta, vale a pena parar em um dos bares da Praia de São Francisco. Abaixo um mapa de como chegar: 


2. De táxi - Uma segunda opção seria ir a Niterói usando as barcas e de lá pegar um táxi até o Parque da Cidade. A corrida custa em torno de R$25.

Obs.: Evite pegar táxi no Rio para ir a Niterói. Apesar de ser ilegal, muitos taxistas cobram em torno de 30% a mais que o valor do taxímetro pelo que eles chamam de "taxa de retorno". 

3. A pé ou de bicicleta - Uma última opção seria subir até o Parque da Cidade a pé ou de bicicleta (haja preparo físico neste caso!). Para isso, o turista terá que ir até o final da Praia de São Francisco (pegando um ônibus próximo ao Terminal de Barcas de Niterói), e ir caminhando a partir de lá. São cerca de 40 minutos de caminhada a partir do final da praia. 

O Parque fica aberto diariamente de 8hs às 17hs.

Endereço: Estrada da Viração, s/nº - Niterói. 


A VISTA

No dia que fomos, estava bem nublado, mas mesmo assim a vista é linda!







O CAFÉ DA MANHÃ

No alto do Parque da Cidade encontra-se o Sierra e Mar, um restaurante que oferece café da manhã / brunch, aos finais de semana, das 8:30 às 13hs. O buffet é liberado e custa R$39,90 por pessoa, e são várias opções de frutas, bolos, pães, frios, etc. Além da vista incrível!

Sugiro que a primeira coisa a se fazer ao chegar ao Parque da Cidade é ir ao café, pois normalmente tem lista de espera e aí é possível deixar o nome e aguardar enquanto aprecia a vista!

Foto: Página do Facebook do Café Sierra e Mar

16 de março de 2015

Cor da Terra Guest House - Bahia: A melhor pousada que você poderia se hospedar

Nesses 5 anos de viajante, visitei cerca de 75 cidades em 16 países diferentes. Fiquei em mais de 30 tipos diferentes de hospedagem, desde hostels com quarto compartilhado, passando por pousadas até hotéis 4 estrelas e um cruzeiro all inclusive. 

Mas nada, nada se compara ou foi tão especial quanto a hospedagem na Pousada "boutique" Cor da Terra, em Arraial D´Ajuda. O local (e a experiência) é simplesmente P-E-R-F-E-I-T-O!





  



SOBRE A POUSADA E UM POUCO DA NOSSA EXPERIÊNCIA

Os donos da pousada são um casal de franceses - Bernard e Regine, que cuidam pessoalmente de todos os detalhes! Logo na chegada, o Bernard mostrou as acomodações da pousada (linda!), que tem apenas 4 bangalôs e somente aceita adultos (ou seja, muito reservado - perfeito para casais e lua-de-mel!). Depois do check-in e acomodação, no início da noite, eles nos ofereceram um drink de boas-vindas na beira da piscina, com uns petiscos maravilhosos da Regine (ambos tiveram um restaurante grande na França e Porto Alegre então tudo o que preparam é delicioso!). O Bernard ainda fez uns truques de ilusionismo para nos entreter (muito divertido!), deu dicas para o meu cabelo e ainda fez um rápido corte de cabelo no meu marido..hahaha (mais um dos talentos dele), ficou ótimo!!! Já nessa hora estávamos nos sentindo duas celebridades!

Na primeira noite, ele ainda nos levou ao centro de Arraial e mostrou um pouco da cidade, deu dicas de restaurantes para jantar. Sempre que pode, ele dá uma carona para os hóspedes até o centro de Arraial, que fica a uns 15 minutos a pé ou 5 minutinhos de carro. Além disso, também busca e deixa na balsa para Porto Seguro, quando os hóspedes chegam e partem. Muito gentil!






                            

                            


AS INSTALAÇÕES

As instalações são lindas! Os bangalôs, mesmo o menor que ficamos hospedados - o Zanzibar, são bem espaçosos, cama confortável, ar condicionado, chuveiro com água quente, decoração perfeita no estilo rústico-chique. Tem um jardim grande e uma piscina que aproveitamos muito. A pousada é bem reservada e raramente víamos os outros casais hospedados, praticamente só no café da manhã. Ou seja, sensação de exclusividade e privacidade que todo casal deseja. 







O CAFÉ DA MANHÃ

O café da manhã é um dos melhores momentos da hospedagem. Eles servem frutas, queijo, presunto, café, leite, sucos, pão francês caseiro e brioches, tortinhas, brownies, tudo preparado pela Regine, caseiro, no melhor estilo café da manhã francês. Mas o melhor é o iogurte caseiro, com camadas de geleia, também preparado pela Regine, que é uma fofa!


Enfim, a melhor pousada que já nos hospedamos, graças, principalmente, ao carinho e atenção do Bernard e da Regine. Foi o ponto alto de toda a nossa viagem. Recomendo a todos!


                                         


E QUANTO É O VALOR DA DIÁRIA?

A pousada tem um custo-benefício excelente! Para verificar os preços e realizar reserva, clique aqui

Obs1.: Este post trata da nossa experiência verídica e real. NÃO é publipost.

Obs2.: O Blog faz parte do programa de parceiros do Booking.com. Ao efetuar uma reserva usando o link acima, o leitor contribui com o blog através de uma pequena comissão, sem nenhum custo extra.

5 de fevereiro de 2015

Inglaterra - Lake District: Ambleside

Por Julie Ana Speedy

Como comentei no último post sobre o Lake District, outro destino popular na região é a cidade de Ambleside, também à beira do Lago Windermere, e com também igualmente belíssimas vistas.

COMO CHEGAR

Ambleside está a 30 minutos de ônibus a partir de Bowness-on-Windermere, ou 15 minutos a partir da estação de trem de Windermere. A linha de ônibus é a mesma, circular que liga a estação de trem e as duas cidades.

Para quem está hospedado em Bowness-on-Windermere, outra opção/passeio é pegar um mini-cruzeiro...

MINI CRUZEIROS

A rota "Red Cruise" liga Bowness-on-Windermere a Ambleside em apenas 35 minutos, e está disponível o ano todo. A passagem custa £10 o trecho (até final de março/2015). Horários, valores atualizados e ingressos no site oficial (https://www.windermere-lakecruises.co.uk/cruises-fares/red-cruise/).

O Centro de Ambleside está a uns 15 minutos de caminhada do píer. Ótima opção de passeio a partir de Bowness-on-Windermere!


A PAISAGEM 






TRILHAS

Além de assistir o lindo pôr do sol em um dia de inverno em Ambleside, na manhã seguinte fizemos uma das trilhas mais fáceis da região, uma caminhada de cerca de 45 minutos ao redor do Lago Loughrigg Tarn.

Fomos até Loughrigg de carro, mas para quem está a pé, é 1 hora de caminhada a partir do píer de Ambleside pela A593 (que já é uma boa caminhada por si só!).



3 de fevereiro de 2015

Saindo do óbvio na Inglaterra - Lake District: Bowness-on-Windermere

Por Julie Ana Speedy

Via de regra, quando alguém monta um roteiro pela Europa, principalmente sendo a primeira vez naquele continente, acaba optando pelas cidades "principais" (até mesmo pra tentar fazer "vários países numa tacada só"). Londres, Paris, Madrid, Roma, entre outras, são sempre figurinhas constantes nos roteiros.

Para uma primeira vez, ou ter uma "visão geral" do (lado ocidental do) continente, essa pode até ser uma boa ideia. Mas, para quem já conhece as principais cidades, ou até mesmo para quem tem mais tempo disponível debutando em uma viagem na Europa, uma ótima ideia é sair do óbvio e explorar o interior e cidades menores dos países.

Uma das regiões mais lindas (e pouco conhecida dos brasileiros!) no Reino Unido é o Lake District, a região dos Lagos britânica.Como o próprio nome diz, essa região é formada de várias cidadezinhas ao redor dos vários lagos existentes. É um dos principais destinos de férias e feriados dos britânicos.

O Lago Windermere é o maior, mais conhecido e mais visitado. E as principais cidades ao redor deste lago são Bowness-on-Windermere e Ambleside.



COMO CHEGAR

Bowness-on-Windermere está a cerca de 5 horas de carro a partir de Londres. Para quem não quer se arriscar a dirigir na mão inglesa, ou quer chegar mais rápido, a melhor opção é o trem. A viagem a partir de London Euston até Windermere dura cerca de 3 horas, com uma transferência. A passagem custa £101,50 na maioria dos horários (por trecho), mas é possível encontrar passagens a partir de £47 o trecho (preços pesquisados em 03/02/2015). É possível comprar os bilhetes pelo site (http://www.thetrainline.com/).

A partir da estação de trem de Windermere, é preciso pegar um ônibus para Bowness-on-Windermere. Esse trecho dura somente 10 minutos, os ônibus deixam os passageiros na estação de catamarãs (ferries), ao lado do centro. Mais informações no site (http://www.stagecoachbus.com/).

Obs.: Fomos para o Lake District de carro a partir do País de Gales, e circulamos pela cidade de carro e a pé. Essas informações de transporte público foram dadas pela família e amigos do meu marido - que é britânico. 

A PAISAGEM: BOWNESS-ON-WINDERMERE


 




O QUE FAZER

A alta temporada no Lake District é durante o verão, os passeios, pousadas, e as cidades em geral ficam mais concorridas. 

O passeio número 1 é o mini cruzeiro pelo lago. São várias opções de rotas, com diferentes durações (e preços). Como fui no inverno (semana do Ano Novo), não cheguei a fazer esse passeio, apesar de estar funcionando normalmente. Mais informações de rotas e preços no site oficial (https://www.windermere-lakecruises.co.uk/).

Outra atividade "must do" por lá são as trilhas e caminhadas. Essa nós fizemos, mesmo no inverno - e com um bebê de quase 4 meses com carrinho! ;-) Aliás, a cidade é super "baby friendly": pra todo lado que se olhasse tinha gente empurrando carrinho de bebê, e crianças pequenas. 

As pousadas podem indicar trilhas na região, e muitas delas inclusive oferecem atividades de caminhada dentro da propriedade, pesca, etc. Além disso, o centrinho de Bowness-on-Windermere é muito bonito, vale a pena caminhar por lá!

Além disso, há muitos locais oferecendo pesca, campings, entre outras atividades. Como comentei anteriormente este é um dos principais destinos de férias dos britânicos, principalmente no verão, então opção de atividades é o que não falta!


14 de janeiro de 2015

Hotel em Londres - Arbor Hyde Park

Não é novidade para ninguém que Londres é considerada uma das cidades mais caras do mundo para turismo. E um dos custos mais altos para o turista visitando a capital inglesa é a hospedagem: para ficar hospedado em um hotel"relativamente bom e decente" é preciso desembolsar, no mínimo, £120 na diária (na cotação atual - Jan/2015, cerca de R$500 a diária em quarto duplo). 

Programamos 2 noites em Londres ao final da nossa viagem de quase 3 semanas para passar o fim de ano com a família do meu marido, que é galês. Como estaríamos com nosso bebê de 4 meses, o hotel era uma preocupação, pois queríamos algo confortável, bem localizado, mas sem ser absurdamente caro. 

Depois de muita pesquisa (e de ter cancelado uma reserva em outro hotel, pouco mais de 1 mês antes da viagem), acabamos encontrando uma boa oferta e reservamos o Arbor Hyde Park. E, posso afirmar, com certeza foi a melhor escolha que fizemos. O hotel é um dos melhores que já me hospedei!


  • Localização: Excelente! Pertinho de Kensington, uma das áreas mais chiques e bonitas da cidade, e colado ao Kensington Gardens (dava pra ver o parque da janela do nosso quarto!!!). Além disso, o hotel ficava localizado a menos de 5 minutos a pé de uma estação do metrô - a Lancaster Gate - e a 10 minutos a pé da Estação de Paddington. Essa localização é realmente perfeita para quem chega pela cidade usando o Heathrow, pois dessa estação partem os trens expressos que levam ao aeroporto em apenas 15 minutos! 
  • Funcionários: Outro diferencial do hotel era o ótimo atendimento que recebemos, em especial da gerente. Assim que chegamos com o nosso bebê, ela, proativamente, nos mostrou o quarto que nos fora reservado e disse que seria muito ruim pra gente, por ser em 2 níveis. Ela nos mostrou outras 2 alternativas e ficamos muito satisfeitos com o quarto! Todos os outros funcionários sempre muito atenciosos e educados. 
  • O café-da-manhã: Muito bom, considerando que era continental e estava incluído na diária (o que já é um luxo nos hotéis mão-de-vaca de Londres!). Uma ótima seleção de croissants, queijos, iogurtes com geleia, sucos, além de torradas, manteiga, chá e café. Eles também servem o famoso "Full English Breakfast" e outras opções, mas pagas a parte. Sinceramente, não vi necessidade. Fiquei super satisfeita com o café. (e todos os itens eram à vontade, muito diferente de muitos cafés continentais por aí).
  • O quarto: Reservamos o quarto executivo, pois queríamos bastante espaço por causa das malas, berço do bebê (disponibilizado por eles) e carrinho do bebê, etc, etc. O quarto era bem espaçoso e confortável, ótima cama, chuveiro muito bom (um dos melhores que já vi!), aquecimento funcionando muito bem e, como já comentei acima, uma linda vista de Kensington Gardens da nossa janela!
 



O hotel ainda oferecia alguns mimos que fazem a diferença na hospedagem, como uma cafeteira nespresso no quarto, uma seleção de macarrons, balas e frutas no corredor de cada andar e chocolates no início de cada diária :-)

Com certeza recomendo o hotel e voltarei a me hospedar lá quando for novamente a Londres!

Preço: Pagamos £151 a diária de quarto duplo - executivo. Hospedagem em Jan/2015.  


Obs1.: Não é publipost.

Obs2.: O Blog faz parte do programa de parceiros do Booking.com. Ao efetuar uma reserva usando o link acima, o leitor contribui com o blog através de uma pequena comissão, sem nenhum custo extra.