13 de março de 2011

Puerto Iguazu - o lado Argentino das Cataratas

Ir até o lado argentino das Cataratas não é difícil, seja por transfer ou até mesmo por transporte público. Eu recomendo muitíssimo, é interessante ter as duas impressões sobre as Cataratas. Um lado é diferente do outro e os dois se complementam. Particularmente, até gostei mais do lado Argentino.


Para quem for se aventurar a ir em transporte público, como foi o meu caso, deve sair bem cedo. A viagem, que inclui dois ônibus, dura de 1h30 a 2h. E, quanto mais cedo se chega ao parque, mais tempo para aproveitá-lo - existem mais atividades a fazer que no lado Brasileiro.


Da rodoviária de Foz do Iguaçu, pega-se o ônibus com destino a Puerto Iguazu. Chegando lá, é possível comprar a passagem de ida e volta para o ônibus que levava às Cataratas da Argentina (é possível comprar ida e volta no guichê). 

Aqui vale uma dica muito importante: o Parque Argentino somente aceita pagamento em pesos, e ele deve ser feito em espécie (cartões não são aceitos). Ou seja, vá precavido! 

O Parque das Cataratas Argentino é muito bonito e bem grande, e oferece várias opções de passeio, e é preciso ter muita disposição, porque anda-se muito!

Minha primeira parada foi a famosa Garganta do Diabo. Para chegar lá, percorri o Sendero Verde, uma trilha de 600 metros por dentro da mata, até chegar à Estação do Trem que leva à Estação da Garganta do Diabo, num percurso que dura cerca de 15 minutos.
Uma das atrações da trilha são os quatis, que vivem em busca de comida.








Chegando na Estação, ainda é preciso andar 1200 metros por passarelas acima do Rio Iguazu para chegar à Catarata mais famosa, a Garganta do Diabo. Ela é linda, mágica, impressionante... É muita água!!! E prepare-se para ficar muito molhado, o volume de água é tão grande que forma uma nuvem que molha todo o mundo. Acho que nem vale a pena tentar se cobrir com capas de chuva, o legal é ficar molhado mesmo, entrar em contato com as águas das Cataratas é revitalizante! Além do mais, faz bem para refrescar do forte calor que faz no Parque.

Fiz o caminho de volta à Estação Central, e decidi ir almoçar, pois já passava de meio dia e estava com fome, depois de tanto andar.

Escolhi o restaurante La Selva, em vez da lanchonete. Péssima escolha... O restaurante funciona no sistema self-service, com preço fixo. Mas tem pouquissimas opções, e a comida é muito sem graça.


Após o almoço, o próximo passo era fazer os Circuitos Superior e Inferior, para ver as cataratas bem de pertinho. A Argentina possui o maior número de quedas, e é possível chegar bem próximo, em passarelas por cima ou no mesmo nível das quedas. 
Juntos, os dois circuitos tem aproximadamente 2km de extensão (não falei que lá anda-se muito!). O Circuito Superior é legal, mas o Inferior é ainda mais impressionante. Tem uma queda, que se chama Salto Bosseti, onde a passarela chega muito próximo, todos completamente ensopados!!!










Na saída do Parque, um grupo de indígenas vende artesanato, e as crianças cantam músicas da tribo.

Na volta, ainda parei para visitar o Duty Free Shop, ao lado da Aduana.





Abaixo, os gastos do dia para visitar as Cataratas (valores referentes a fevereiro/2011)

GASTOS
  • Ônibus para Puerto Iguazu: R$3,50
  • Ônibus para Cataratas Argentina: R$9,00 (Ida e volta)
  • Entrada das Cataratas da Argentina: R$35
  • Almoço no Restaurante La Selva: R$30
  • Ônibus para Duty Free e de volta a Foz do Iguazu: R$ 7,00 
Obs.: O transfer Foz do Iguaçu - Cataratas da Argentina, oferecido pelos hotéis, custa de R$50 a R$70.

Postar um comentário